quarta-feira, 31 de outubro de 2012

BUSTIÊ

Foi Dolce & Gabbana colocar na passarela um modelo de bustiê nas tendências da estação, cropped mais saia lápis em conjuntinho estampado, que o mundinho da moda se alvoroçou pelo modelo de top que deixa qualquer mulher sexy num fechar de botões. A peça que desde sempre foi adotada pelas pin-ups, pode ser usada por todas, agora que é tendência.
Para não ser confundida com a moça do retrato no quarto de um jovem soldado, revele um pedaço de pele de cada vez. Se o modelo for curto, a calça ou saia devem ter a cintura alta, mesmo que for deixar um pouquinho da barriga à mostra; se for tomara-que-caia, cubra todo o resto; se for transparente, cuidado para não parecer ter esquecido de colocar a blusa ao sair de casa. Nesse caso, mais é mais. Pode inclusive exagerar na estampa.
 











 



 

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

:: VALE A PENA :: MEDIANERAS

Eu, mais uma vez atrasada, assisti Medianeras só ontem, mesmo tendo planejado por um ano todo. Primeiro durante a 35ª edição da Mostra Internacional de Cinema (neste exato momento está acontecendo a 36ª) e depois escrevendo em listas escritas à mão, no celular, no iPad... mesmo depois de ter o arquivo devidamente baixado no computador, levei um tempo e, só ontem, diante da chuva que me desencorajou a ir assistir a qualquer filme da mostra atual eu coloquei o bendito para rodar e... me apaixonei.




Uma das coisas que provavelmente me fez não ter tanta pressa de assisti-lo foi a sinopse que o descrevia como um filme que tratava do encontro entre dois solitários através da internet. Conferindo, eu diria que ele é muito mais a associação entre a vida da cidade e a nossa, as metáforas que são observadas na construções falando de nós mesmos. Se soubesse disso antes, teria ido ver o filme muito antes, mesmo que embaixo de chuva.

Trancrevi o primeiro trecho do filme que podia muito bem descrever São Paulo, tirando que no filme eles citam a crise argentina, que não é bem o nosso caso. De resto, a história podia perfeitamente falar sobre nós, paulistanos.


Buenos Aires cresce descontrolada e imperfeita.
É uma cidade superpovoada num país deserto.
Uma cidade onde se erguem milhares e milhares de prédios...
sem nenhum critério.
Ao lado de um muito alto, tem um muito baixo.
Ao lado de um racionalista, tem um irracional.
Ao lado de um em estilo francês, tem um sem estilo.
Provavelmente essas irregularidades nos refletem perfeitamente.
 
Irregularidades estéticas e éticas.
 
Esses prédios, que se sucedem sem lógica...
demonstram total falta de planejamento.
Exatamente assim é a nossa vida...
que construímos sem saber como queremos que fique.
 
Vivemos como quem está de passagem por Buenos Aires.
Somos criadores da cultura do inquilino.
Prédios menores para dar lugar a outros prédios, ainda menores.
Os apartamentos se medem por cômodos...
vão daqueles excepcionais,com sacada...
sala de recreação, quarto de empregada e depósito...
até a quitinete,ou "caixa de sapato".
 
Os prédios, como muita coisa pensada pelos homens...
servem para diferenciar uns dos outros.
Existe a frente e existe o fundo.
Andares altos e baixos.
Os privilegiados são identificados pela letra A, às vezes B.
Quanto mais à frente no alfabeto,pior o apartamento.
Vista e claridade são promessas que poucas vezes se concretizam.
 
O que esperar de uma cidade que dá as costas ao seu rio?
É certeza que as separações e os divórcios...
a violência familiar, o excesso de canais a cabo...
a falta de comunicação, a falta de desejo...
a apatia, a depressão, os suicídios...
as neuroses, os ataques de pânico...
a obesidade, a tensão muscular...
a insegurança, a hipocondria...
o estresse e o sedentarismo...
são culpa dos arquitetos e incorporadores.
 
Esses males, exceto o suicídio, todos me acometem.

terça-feira, 23 de outubro de 2012

:: PARTE 3 :: READY TO WEAR SS2013 NY

Consegui terminar a última parte da semana de moda de NY. Se dá esse trabalho todo só olhar e escolher o que mais gosta, imagina produzir os desfiles. Se quiser ver a parte 1, tem aqui; e a parte dois, aqui.

Em breve, voltamos com a programação normal!

P.S. Victoria Beckham não sabe sorrir, mas faz vestidos como ninguém. Quero todos!

Rag & Bone


Rebecca Minkoff

Rodarte


See by Chloé

Thakoon

Thakoon Addition

The Row

Theyskens´Theory

Tibi

Victoria, Victoria Beckham

Victoria Beckham

Y-3

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

:: PARTE 2 :: READY TO WEAR SS2013 NY

Eu sei que é ridículo ter demorado mais de um mês para postar a segunda parte dos meus preferidos, mas tenho sofrido de um certo azar tecnológico e como eu sou um ser passivo quanto a azares inexplicáveis, deixei as coisas se resolvendo aos poucos. Acho que agora tudo voltou à ordem e eu devo voltar a postar com mais frequência.

Explicações à parte, essa leva traz mais doze dos estilistas de NY que eu sempre gosto, e ainda faltam alguns pra eu finalmente partir para Milão, Londres, Paris. É engraçado colocar assim minhas preferências organizadas, porque eu sempre acabo me dando conta de um detalhe que inconscientemente me chama a atenção, as cores que sempre puxam meu olhar. Proponho o exercício pra qualquer um que esteja disposto a repensar seu estilo pessoal, que é o primeiro passo pra dar um up nos looks, no guarda-roupa.

Para quem quiser ver a primeira parte, tá aqui.

Band of Outsiders
 
Belstaff

Diesel Black Gold
 
Jason Wu

J Crew
 
Karen Walker
 
Marc by Marc Jacobs
 
Marc Jacobs
 
Narciso Rodriguez

Philosophy
 
Prabal Gurung
 
Proenza Schouler

 

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

:: BLACK :: POR YOHJI YAMAMOTO

Preto é modesto e arrogante ao mesmo tempo. Preto é preguiça e calma - mas misterioso. Mas, acima de tudo, preto diz: 'Eu não te incomodo - não me incomode'.
YOHJI YAMAMOTO

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

1 ANO DE MRB


Amanhã o meu bloguinho faz um ano. Começar a trabalhar nele em pleno feriado, hoje eu percebo, é muito significativo. Ele é o que eu faço por prazer, ainda que eu considere um tipo de trabalho. Eu espero que esse tipo se torne TODO o trabalho que eu tenha, aos poucos, daqui para frente. Mesmo que ao começar eu não tivesse ideia de que isso fosse possível, um ano só depois, ele já transformou minha rotina completamente e de uma maneira positiva. Com a minha conta bancária aconteceu o contrário, mas quando eu lembro disso, procuro uma visão de longo prazo, que nunca foi minha especialidade (mais uma coisa que o MRB me ensinou).

Quando eu comecei a escrever aqui, minha ideia era falar sobre estilo pessoal e moda, quando fosse conveniente. Não consigo ser muito impessoal nos meus textos e, provavelmente por isso, acabei falando de coisas que não têm nada a ver com moda, mas têm a ver com gente, que no fim das contas, é meu assunto favorito. Apesar de tentar não falar muito de mim mesma e fazer questão de não me expor além do necessário, muito do que eu coloco em discussão tem relação, se não com os meus próprios conflitos, com os de pessoas que me rodeiam e que por isso começam a me “incomodar”.

Eu gosto do resultado, apesar de continuar avaliando qual caminho ele deve seguir. Mas como tudo na minha vida, isso eu também encaro com a máxima flexibilidade. A coisa mais valiosa aprendida nesses 366 dias foi, com absoluta certeza, que é possível fazer as coisas de um jeito absolutamente meu e ter um retorno positivo. O jeito pode e vai continuar mudando, nada mais EU.

Eu acho meio constrangedor falar isso, porque soa um pouco presunçoso pensar que alguém de fato pega um tempo dentro do seu dia para vir até aqui me ler, mas eu não poderia não agradecer quem já fez isso. Eu sei de gente que me conhecia pessoalmente e que não fazia ideia de como eu pensava, de gente que mora longe e se sente mais perto me lendo e também comecei a ter contato com gente que eu quero muito conhecer pessoalmente, por causa do blog. Queria agradecer em especial à Liliane Ferrari que foi a primeira pessoa que me fez um elogio sobre o MRB – e o fato de eu já admirá-la MUITO na época, fez daquele dia um desses muito especiais – e à Julia Petit, que colocou o Money Rubber Band nos favoritos do site dela <3.

 



Enfim, o ano foi ótimo! Que venham outros.

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

:: UP :: CONSUMO x CRIATIVIDADE



Quando alguém fala que gosta de moda, a primeira impressão que se tem é que ela é consumista. Eu mesma, devo dizer que tem um bichinho insaciável aqui dentro que sente prazer em adquirir coisas novas, às vezes até mais do que usar coisas novas. Gosto de colocar a culpa na sociedade, mas sendo muito honesta, eu já descobri que consumismo é uma característica pessoal.

Com o passar dos anos, a diminuição das mordomias paternas, o aumento da consciência e das responsabilidades, contudo, a compulsão melhorou muito. Com outras prioridades, a frequência das idas a centros de compras caíram vertiginosamente e foi só assim que eu aprendi a fazer mais com menos.

Nada contra quem pode e gasta com roupa e afins, mas acho que é visível quanto o valor do guarda-roupa de alguém não necessariamente reflete na qualidade da imagem final que ela alcança. Às vezes, aliás, acontece o contrário. Na ânsia de expor tantas cifras em forma de roupa, tem gente que erra a mão feio! Novidade para ninguém, esse tipo de erro é comum.

Em tempos de crise financeira e preocupação com o meio ambiente, aproveite para exercitar a criatividade. Na roupa, em casa, no trabalho... Tirar tudo do armário e organizar as coisas que você já tem é um bom começo, uma ótima oportunidade de colocar os olhos sobre o que você nem lembra que tem, doar o que não faz mais sentido, criando espaço para novas aquisições.

Aproveite a brincadeira e tente criar combinações inusitadas misturando peças, cores, comprimentos e sobreposições que você não tem coragem de arriscar normalmente. Não esqueça dos acessórios, eles fazem muita diferença na estética final e a gente acaba esquecendo deles quando não têm o costume de usá-los. Considere fazer isso num final de semana. Levar um novo look pra trabalhar quando não completamente segura sobre ele não é exatamente a situação ideal, mas teste numa saída despretensiosa de casa, como se estivesse encarnando um novo personagem.

De fato, é isso que pode acontecer. As mudanças no seu visual podem trazer mudanças na sua atitude, da mesma maneira que uma mudança na nossa atitude pode fazer nós mudarmos o visual. Quantas mulheres você conhece que resolveram cortar/tingir/pentear diferente os cabelos diante de uma nova fase da vida?

Publicado originalmente em 27 de outubro de 2011

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

DA SÉRIE ESTRAGADORES DE LOOK: SAPATO DO TAMANHO ERRADO



Você encontra o sapato dos seus sonhos por um preço que pode pagar, só que ele não é exatamente do seu tamanho. Mas você compra, com pena de deixar o bonitinho na loja, ou com inveja da mulher que possa encontrá-lo ali e levá-lo pra casa... Quem nunca?
Mulher é mestre em fazer isso, mas prometa a si mesma que (se você já fez a bobagem) nunca mais o fará. Não vale a pena! Sapato apertado, que fica machucando, pode até mudar seu humor, e não há sapato lindo que vá compensar sua cara de poucos amigos. Sapato grande é esquisito, parece que foi pego de outra pessoa e pode até ser perigoso, provocar uma queda, uma torção no tornozelo.
Respire fundo, se conforme e espere a próxima oportunidade.
 
Outros Estragadores: