sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

:: UP:: CARNAVAL É BOM PARA...



Li hoje o post da Oficina de Estilo sobre aproveitar o carnaval para colocar seus loucos desejos estilísticos à prova, experimentar o que tem vontade e levar para o dia-a-dia o que tiver gostado e funcionado. Acho o conselho validíssimo, mas sei que às vezes falta coragem. Dos medos que eu conheço, pelas outras pessoas e por experiência própria, os principais são um resultado ruim depois de parecer ter tentado com muito esforço ou mesmo um resultado bom que parece bom demais.

Já aconteceu com todo mundo. Acordar e querer dar uma variada no visual de sempre, tentar e ter dúvidas, tirar tudo e colocar o "uniforme". Por isso, o conselho para o carnaval é ler o post e arriscar. Se não rolar antes do feriado terminar, continue tentando. Todo dia é dia de se divertir e mesmo durante os dias úteis, não se preocupe e não se leve tão a sério, é o único jeito de mudar, caso esteja insatisfeito com alguma coisa.

Bom Carnaval!!!

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Por uma publicidade com mais anúncios assim

Esse anúncio é da África do Sul e vem lembrar o que "pensar fora da caixa" deveria significar. Nada de campanhas nonsense ou glamourização do álcool para pegar mais mulher. Fugindo ao clichê do filme de marca de whisky que tem a coragem e força sempre simbolizada por escaladores, soldados e homens com algum tipo de poder, a Bell´s inova ao mostrar o esforço de um senhor em sua luta para aprender a ler depois de adulto.
A feminista que vive dentro de mim (que adoro whisky) preferia que a escritora fosse uma jovem escritora, mas isso é assunto para outro post.

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Será que se livrar dos 'Fashion Bloggers' trará a glória de volta?



No outono passado, Oscar de la Renta expressou frustraçãocom "megashows" da Fashion Week que estão cheios de "20 milhões de pessoas com conexão zero com as roupas. Em resposta, ele anunciou um plano de cortar sua lista de convidados para um máximo de 350, cuidadosamente selecionados. Agora, Catherine Bennett, vice -presidente sênior e diretora-gerente da IMG, diz que a empresa que administra a Mercedes-Benz Fashion Week vai fazer alterações semelhantes para seus shows na próxima temporada. Ela disse ao Wall Street Journal que a Fashion Week "foi se tornando um jardim zoológico. O que costumava ser uma plataforma para designers estabelecidos para estrear suas coleções para selecionar mídia e compradores tem caminhado para um período confuso, muitas vezes com um custo proibitivo e desgastante para a nossa indústria para efetivamente fazer negócios."

Em muitos aspectos, isso é verdade. O Wall Street Journal relata que a IMG irá apresentar dois locais redesenhados nas tendas do Lincoln Center, em fevereiro, um dos quais com pegada mais industrial, e o outro mais "íntimo". As mudanças serão feitas para que os conviados VIP fiquem mais confortáveis e para dar mais espaço para entrevistas de bastidores. Dois novos espaços fora do local também serão abertos, um dos quais será chamado Hudson Hub e será voltado para up- designers em ascenção.

Os novos espaços são projetados, relata o Jornal, para responder a reclamações de designers e da velha guarda da moda sobre o confuso espetáculo que a Fashion Week tornou-se, com as novas instalações destinadas a, como colocou um porta-voz da IMG, "controlar e reduzir as capacidades de audiência; fazer convites mais uma vez um passe exclusivo para insiders verdadeiros da moda".

A IMG diz que espera eliminar os participantes com apenas uma "conexão tênue com a indústria da moda", porque o Lincoln Center "foi cercado por blogueiros de moda, fotógrafos de street style e fãs de moda... para além das centenas de jornalistas e dezenas de celebridades".

É difícil não se perguntar se em todas estas reivindicações para melhorar a eficiência não se esconde um bom e velho desejo de voltar à exclusividade e livrar-se da moderna ralé: todos esses "blogueiros de moda" e imprensa considerada menos importante.

Muitos dos shows mais íntimos agora acontecem nos estúdios do centro, galerias e armazéns que permitem a exclusividade muitas vezes ausente do espetáculo do Lincoln Center. Certamente essas mudanças são em resposta a esse movimento - mas também parecem menos como uma função dos espaços e mais sobre a escala das empresas e designers que se apresentam lá. Enquanto os aluguéis são bons ​​para designers emergentes (a IMG diz que seus novos espaços serão cerca de 2.000 a 3.000 dólares mais baratos) ainda são muito caros (US$ 15.000 para o Hub), de modo que esse parece ser um falso argumento.

Estas mudanças propostas, que serão anunciadas na quinta-feira, levantam algumas questões importantes sobre o que desfiles de moda se tornaram. Blogueiros ainda são necessários agora que quase toda a primeira fila de editores de mídia impressa usam Instagram? Os principais críticos precisam mesmo de ir a um desfile para dar suas opiniões? (Veja: críticade Cathy Horyn da coleção Outono de YSL RTW que foi feita inteiramente a partir de um computador). Quem importa em um desfile de moda? Se você está na oitava fila, vale mesmo a pena assistir?



A Moda sempre nos deu uma forma arrumadinha de quantificar as hierarquias sociais. Com menos bloggers em shows, enfim, todos os tipos de confusão causados pelos cheios de opinião podem dar uma baixada. Quem já não ouviu um editor de moda da imprensa reclamar que alguns ‘sabem nada’ novatos foram parar na primeira fila quando eles trabalharam durante anos para chegar à terceira? Independentemente disso, será certamente interessante ver o que os senhores do mundo da moda consideram "essencial" e "de valor" - e quem simplesmente vai optar por afirmar seu próprio valor observando a partir de seu computador.